Buscar
  • viajemaispaguemenos

Latam retoma voos internacionais em junho; Brasil terá 74 rotas nacionais

O Grupo Latam Airlines terá um aumento gradual de suas operações nos próximos dois meses. Em junho, a operação passará de 5% para 9% da sua capacidade pré-crise e em julho atingirá 18%. A empresa vai oferecer mais flexibilidade para a compra e programação de viagens, com descontos de até 20% na tarifa, medidas sanitárias adicionais e orientações aos passageiros para viajar durante a crise.


Em junho, a Latam Airlines Brasil vai operar as rotas internacionais São Paulo-Frankfurt, São Paulo-Londres, São Paulo-Madri, São Paulo-Miami, São Paulo-Santiago e Santiago-Miami. Em julho, o Grupo espera aumentar para 13 o número de destinos internacionais.


No mercado doméstico, a Latam Airlines Brasil vai operar 74 rotas nacionais e a Latam Airlines Chile atenderá 12 destinos. Da mesma forma, a subsidiária no Equador está trabalhando para retomar seus voos domésticos em junho, enquanto na Colômbia e no Peru isso deve ocorrer em julho, na medida em que sejam permitidos pelas autoridades.

“Com essas medidas, o Grupo Latam está respondendo às necessidades de conectividade dos países onde opera e adaptando a oferta às exigências dos clientes nesse complexo cenário”, afirma Michael Rutter, VP Comercial do Grupo Latam Airlines. “O Grupo está aumentando voos, destinos e frequências, adotando ações concretas que respondem à nova realidade econômica que os clientes e suas famílias enfrentarão, tais como passagens mais flexíveis e acessíveis, novas medidas sanitárias e um serviço de assistência ao passageiro durante a viagem”, completou.


Flexibilidade para viajar

Devido às incertezas gerada pela crise de saúde, os passageiros terão mais flexibilidade para comprar passagens e agendar as suas viagens, sempre conforme as regras locais aplicáveis.

  •  Para as compras feitas até 31 de julho de 2020, os clientes poderão reprogramar voluntariamente seus bilhetes pelo site latam.com antes da partida do voo. A primeira alteração será sem multa ou diferença de tarifa (mesmo destino, sujeito à disponibilidade de assentos e dentro da validade do bilhete) e poderá alterar o destino pagando a diferença de tarifa, se houver. Se o passageiro não tiver certeza da data em que deseja viajar, poderá deixar o bilhete aberto por 12 meses, desde que notifique a companhia aérea pelo site, com pelo menos 7 dias de antecedência.

  • No caso de um voo ser cancelado ou reprogramado, o passageiro pode remarcar o bilhete sem multa ou diferença tarifária (sujeito à disponibilidade de assentos, para o mesmo destino e dentro da validade do bilhete). Se o passageiro deseja alterar o destino, a diferença de tarifa será aplicada, se houver.


Fonte: Mercado e Eventos

6 visualizações